segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Da inércia das palavras...

Fecham-se as mãos ,
em gestos sem respostas.
Lambe, a língua o vazio
do silêncio,
saboreando as ultimas palavras.
Na distância habitam lábios,
sem pronuncia.
Encerram-se os sons,
nos ponteiros do relógio  da sala.
Por detrás das horas,
questiona-se o tempo,
tacteando as silabas da memória...
Reflectidas nas pupilas,
as ondas em que nasce a manhã,
são sempre as mesmas, em que o sol se deita...
Existem frases sem retorno!...
Resistem ao regresso da linguagem.
Somente persistem, mudas pela inércia ,
em longínquas  constelações,
envoltas de escuridão e surdez...

E,
no mutismo do ser,
a noite faz-se  um deserto...

Maria Augusta Loureiro
(Margusta)


*Reservados todos os direitos de autor*

24 comentários:

heramariana disse...

Super, super!:)
Te pupa a ta prietena, din Romania.:)

Lídia Borges disse...

Sim, a noite é um deserto onde as palavras emudecem perdidas nos seus ecos.

L.B.

Sonhadora disse...

Minha querida amiga
Muito belo o seu poema...lindo

E,
no mutismo do ser,
a noite faz-se um deserto...

Diz tanto.

beijinhos
Sonhadora

aflores disse...

não podemos alterar as palavras....Devemos escutar.

Tudo de bom;)

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Maravilhoso!

Para a compreensão do ser

*questiona-se o tempo*

O tempo - eis a questão!

Quem busca a si mesmo, É! Margusta, querida, suas palavras, ainda que ausentes, são Gestos! Não só está no mundo, como é!!!

Quando me dizem que estou de passagem neste mundo, replico: Tudo bem, então que eu seja, para que valha a pena!

Você dá de 10000000000000000*******
em muitos, minha amiga querida.

Deixo-lhe o post de ontem, porque acho que será de seu interesse + Beijos mil da Rêloirinha************

O AMOR É MESMO O PARAÍSO!

O amor não é um lugar desconhecido. Não é de todo um lugar comum. O amor é um lugar familiar. É um bom lugar. Um lugar onde é sempre gostoso voltar. Mesmo que já tenhamos sido felizes lá. Mesmo que tenhamos deixado de ser. O amor é um lugar onde cabe mais um. Onde cabem todos. Os amores. Onde às vezes não cabe mais ninguém. Um lugar onde é gostoso dançar, onde é gostoso tirar a roupa, o sapato, onde é gostoso cantar bem alto, bem baixo, sei lá. O amor é um lugar onde nos sentimos bem. Conosco e com os outros. Um lugar onde nos damos. Onde sofremos. Sozinhos. Acompanhados. Um lugar onde rimos, onde os olhos brilham, onde nos inflamamos. O amor é um lugar quente. Onde choramos. Onde nos faltam as forças e nos encorajamos. Onde tudo parece interminável. Inquestionável. Irrepetitível. Onde tudo começa. Onde tudo faz sentido. O amor é um lugar inconfundível. Cheira a amor. Nesse lugar. É o lugar onde fazemos amor. E onde só o amor entra. Um lugar pouco iluminado. Onde os cabelos se desalinham e se borra a maquiagem. Onde é bom abrir as janelas. Deixar entrar o sol. Um lugar que conhecemos de olhos fechados. Que tateamos. Onde nos orientamos. Onde nos perdemos. Um lugar onde chegamos e nos sentimos em casa. Onde nos servem o prato favorito, onde não nos perguntam o que vamos beber. Um lugar onde se misturam todas as cores, perfumes, sabores. Onde nos sentimos. Ora seguros. Ora desamparados. Um lugar onde se dão palavras, gestos, gozos. Onde se cruzam olhares. Um lugar onde sorrimos. Onde tudo parece acontecer sempre pela primeira vez. E pela última. O lugar onde voltamos, onde voltaremos sempre a nos encontrar. O amor é mesmo o Paraíso!

Mare Liberum disse...

Um poema muito bonito. Na vida tudo tem um fim mas também há as surpresas que nos trazem a felicidade.Algures, há sempre alguém que nos ajuda a readquirir a força perdida. Olha em frente que encontrarás alguém a olhar na mesma direcção.

Beijinhos minha poeta linda.

Bem-hajas!

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Margusta, belo poema...belas imagens...Espectacular....
Beijos

Maria disse...

Mas no amanhecer pode acontecer um mar de gente...
É belíssimo o teu poema, Margusta. Mas eu queria ler mais positivo...
É preciso erguer a bandeira dos que não se vergam
e seguir em frente
sempre!

Um beijo tão grande.

BEL disse...

Lindissimo este poema

beijos


bel

C NARCISO disse...

Sempre belas as palavras e tão fortes...

Secreta disse...

Um deserto no qual podemos encontrar um oásis...acredito.

Graça disse...

"Existem frases sem retorno!...", mas nos contornos da vida, podemos moldá-las a uma nova realidade.

Adorei o teu poema, a começar no título que já diz tanto.

Beijo imenso de carinho, amiga minha.

Vieira Calado disse...

A amiga sabe escrever boa poesia.

Também gosto desse tipo de música brasileira.

Beijinho

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Margusta, que linda está no azul!!!!! Adoro este tom! Parabéns! Se pudesse, pegava para mim! Linda demais. Se melhorar, estraga...

*Fossem meus os tecidos bordados dos céus
W.B. Yeats

Fossem meus os tecidos bordados dos céus,
Ornamentados com luz dourada e prateada,
Os azuis e negros e pálidos tecidos
Da noite, da luz e da meia-luz,
Eu os estendia sob os teus pés.
Mas eu, sendo pobre, tenho apenas os meus sonhos.
Eu estendi os meus sonhos sob os teus pés...
Caminha suavemente, pois caminhas sobre os meus sonhos...
Trad. da Renata

Beijos, minha querida!!!
Rêloirinha******************

Até já!

Zé Carlos disse...

Margusta, adoro as suas visitas, suas palavras são sempre doces como deve ser seu feitio mas depoi quando venho aqui me encanto muito mais. Além dos seus escritos maravilhosos, como você é linda menina. Encantadora para ser mais exato.

Venha sempre que puder. Beijos do ZC

Maria Clarinda disse...

Maravilha como sempre!!!!Jhs

Multiolhares disse...

Esperamos o sol adormecer com o bailado da lua,de manhã vimos o lençol de estrelas desaparecer para o sol acordar e tudo se repete nas palavras ditas e não ditas.

obrigada pelo carinho das tuas palavras no meu cantinho
beijinhos

O Profeta disse...

Tu és realmente uma Mulher Fabulosa...

Everson Russo disse...

Um belo final de semana pra ti amiga...beijos na alma.

Mika disse...

No refúgio do grito surdo.
E a insuportabilidade do que se espera e não é dito.
Se o silêncio pode ser bálsamo, a sua espera é previsivelmente castradora.
Abraço

Miguel

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Não tem o que agradecer, minha querida Margusta*
Palavras de Amor são de graça. Vêm em Graça*
Dádiva do Amor Mayor*
Feliz Final de Semana Sempre!
Beijos Renata

Ivo Serentha and Friends disse...

Thanks Margusta, you're always kind, sweet blonde very sensitive poet, I wish you a serene and intense weekend

Kiss,

Marlow

Mar Arável disse...

Tudo muito belo

Margusta muito

Bj

Nilson Barcelli disse...

A falta de comunicação conduz à inércia, das palavras e até dos actos.
E então há silêncio, distância, escuridão, surdez, noite e deserto... é um suceder de coisas cada vez mais inertes.
Querida amiga, gostei imenso do teu poema. Um retrato muito aplicável à vida real de imensas pessoas.
Bom fim de semana.
Um beijo.