quarta-feira, 25 de maio de 2011

Exaltação ao Poeta





Que doam feridas no peito,

e que se escutem lamentos,

em tempo algum será desfeito,

o abraço dos momentos.


Que galopem cavalos brancos,

e mesmo de outras cores,

a saudade nasce de encantos,

a saudade tem sabores!...


A madrugada meu Poeta,

só tu a sabes atravessar,

de forma única e suprema.


Mas se a dor te inquieta

e, a saudade não te largar

bebe Poeta o meu poema!...


@Margusta
2008

3 comentários:

A.S. disse...

Nenhum poema sacia esta sede!
Nenhuma metáfora se traduz em caricias!
Nenhum acorde de silabas me trás o som da tua voz!
Assim... o poeta será
uma breve rosa
num sonho de arbusto
à espera de teus lábios de água...

Beijos!
AL

Sonhadora disse...

Minha querida Margusta

Como sempre profundos os teus poemas...sem palavras para te comentar...deixo um rascunho.

O Poema...é uma viagem em silêncio entre a pele e a memória...um vôo ao infinito...feito de luz e sombras...ir além do corpo...penetrar na alma...
latejando no corpo em fogo...no anoitecer dos braços...desejo a arder...entre o céu e o inferno...vermelho e negro...começo e fim...morrer e renascer...é o Poema.

Deixo-te o meu carinho e um beijinho
Sonhadora

Nilson Barcelli disse...

Bebi o teu poema... mas fiquei ainda com mais sede da tua bela poesia.
Magnífico, querida amiga. Gostei imenso.
Beijos.