quarta-feira, 4 de maio de 2011

Estrela caída...

Silêncio feito
nas pétalas amortalhadas,
numa colcha branca,
suspirando o fim.
O café fora de horas,
o cigarro apagado,
a tarde caindo,
desenhando no céu,
círculos de asas,
negras como a noite,
voam andorinhas.
Uma estrela caída,
uma constelação ferida,
um sol dourado.
Uma decisão, uma saída,
uma porta para a vida,
um amor adiado...

@Margusta
Maria Augusta Loureiro

* Reservados todos os direitos de autor

1 comentário:

Sonhadora disse...

Minha querida margusta

Eu ando muito chorona...mas chorei ao ler o teu poema, porque me disse tanto de mim...adiamos os sonhos adiamos a vida...e resta apenas pedaços de nada.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora